Tertecman

Ponte Rolante Pontes Rolantes Manutencao de Ponte Rolante



Ponte Rolante Pontes Rolantes Manutencao de Ponte Rolante



Ponte Rolante Pontes Rolantes Manutencao de Ponte Rolante



Ponte Rolante Pontes Rolantes Manutencao de Ponte Rolante



Notícias

RSS Feed - Notícias - Mantenha-se Informado


26/03 - Spotify adquire 3ª empresa focada em podcasts em dois meses
Em fevereiro, o empresa havia adquirido a Gimlet Media e a Anchor, empresas focados nesse segmento. Spotify adquire terceira empresa de podcasts em dois meses, focando no segmento de histórias em áudio. REUTERS/Brendan McDermid O Spotify, o serviço de streaming de música mais popular do mundo, informou nesta terça-feira (26) que acertou a aquisição da produtora de podcasts Parcast. É a terceira empresa desse segmento que o Spotify está comprando em dois meses, em uma contínua busca para transformar-se no Netflix de áudio. Os termos do acordo não foram divulgados, mas o Spotify disse anteriormente que destinaria 500 milhões de dólares para aquisições em 2019. A Parcast, fundada em 2016, é especializada em conteúdo de áudio relacionado a crimes e temáticas misteriosas. Lançou 18 séries de podcasts premium, incluindo "Serial Killers", "Unsolved Murders", "Cults" e "Conspiracy Theories". Em fevereiro, o Spotify já havia adquirido a Gimlet Media, uma produtora de podcasts, e a Anchor, uma empresa de serviços de podcast.
Veja Mais

26/03 - França e China reiteram seu apoio à reforma da OMC
Os países fizeram uma declaração conjunta, durante uma reunião em Paris dos presidentes Emmanuel Macron e Xi Jinping. A França e a China reiteraram nesta terça-feira (26) seu apoio à reforma da Organização Mundial do Comércio (OMC) e garantiram que "nenhum país pode redefinir sozinho as regras do jogo", uma referência implícita aos Estados Unidos. Para construir uma "economia mundial aberta e lutar contra qualquer forma de protecionismo", os dois países apoiam "uma reforma necessária da OMC para reforçar sua eficácia e sua autoridade", indicaram em declaração conjunta, durante uma reunião em Paris do presidente francês Emmanuel Macron e de seu homólogo chinês Xi Jinping. Encontro de Bolsonaro e Trump acende debate sobre tratamento especial do Brasil na OMC; entenda O presidente da Franca, Emmanuel Macron, e sua esposa, Brigitte Macron, ao lado do presidente da China Xi Jinping e sua esposa Peng Liyuan, durante encontro no palácio presidencial em Paris. Thibault Camus/Reuters Macron e Xi querem fazer frente às decisões unilaterais do presidente americano Donald Trump em matéria de comércio internacional. "Nenhum país, por mais poderoso que seja, pode redefinir sozinho as regras do jogo internacional e nenhum país, por mais poderoso que seja, sairá ganhando se implodir o sistema multilateral", afirmaram na declaração.
Veja Mais

26/03 - Acordo evita convocação de Guedes, e CCJ convida ministro para falar na próxima semana
Ministro iria à comissão nesta terça explicar Previdência, mas cancelou. Oposição, então, propôs convocação, mas chegou a acordo com base do governo para Guedes ir dia 3 como convidado. Paulo Guedes irá na CCJ na próxima quarta-feira (3) A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara decidiu nesta terça-feira (26) que vai ouvir o ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre a proposta de reforma da Previdência na próxima quarta (3). Paulo Guedes iria à comissão nesta terça na condição de convidado. A participação estava prevista na agenda oficial, mas, pela manhã, a assessoria do ministro informou que ele não iria mais e enviaria representantes. Diante disso, a oposição protestou e propôs a convocação do ministro. Neste caso, Paulo Guedes seria obrigado a comparecer a uma sessão da CCJ, em data a ser agendada. A sessão da comissão, então, foi encerrada e reconvocada logo em seguida. Após alguns deputados se manifestarem sobre o caso, o presidente da CCJ, Felipe Francischini (PSL-PR), anunciou um acordo entre a oposição e a base aliada do governo para Guedes ser ouvido na próxima quarta (3), na condição de convidado e não de convocado. Trechos da proposta do governo 'atrapalham', diz Maia 13 partidos apoiam reforma, mas querem mudar texto PSL resolverá 'angústias' internamente, diz líder Antes de o acordo entre a base aliada e a oposição ser anunciado, houve discussão entre os parlamentares sobre ouvir ou não Rogério Marinho, secretário especial de Previdência, e Bruno Bianco, secretário especial adjunto de Previdência e Trabalho. A maioria dos deputados, contudo, decidiu não ouvir os representantes de Paulo Guedes e convocar uma nova sessão para discutir a participação do ministro em uma audiência. Pelo acordo anunciado no plenário da CCJ, se Guedes não comparecer na próxima quarta (3), será discutida a convocação do ministro. Secretário da Previdência vai à CCJ após desistência de Paulo Guedes Articulação A polêmica envolvendo Paulo Guedes nesta terça-feira acontece em meio a divergências públicas entre o presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), sobre a quem cabe a articulação para aprovação da reforma. Enquanto Bolsonaro diz que a responsabilidade é do Congresso, Rodrigo Maia afirma que o governo não pode "terceirizar" a articulação política. O presidente da CCJ, Felipe Francischini (PSL-PR), já disse que a reforma só terá celeridade na Câmara, como quer Bolsonaro, se a base aliada do governo estiver "organizada e coesa". Para Paulo Guedes, tem havido "problema de comunicação" na articulação para a aprovação da reforma. Reforma da Previdência Enviada em fevereiro ao Congresso, a reforma está na primeira etapa da tramitação. Na CCJ, os deputados analisarão se a proposta do governo Jair Bolsonaro está de acordo com a Constituição. Se aprovada, a reforma seguirá para uma comissão especial, responsável por analisar o mérito (conteúdo) do texto. Em seguida, a proposta será votada no plenário da Câmara, onde precisará dos votos de pelo menos 308 dos 513 deputados, em dois turnos de votação. A reforma é considerada pela equipe econômica como medida prioritária para a recuperação das contas públicas. Pelas estimativas do governo, se a reforma for aprovada, será possível economizar R$ 1 trilhão. Initial plugin text
Veja Mais

26/03 - Samsung espera lucro abaixo do esperado após queda no preço de chips
Lucro operacional deve ficar abaixo da metade no primeiro do ano, em comparação com o mesmo período de 2018. Kim Ki-nam, presidente da divisão de semicondutores da Samsung, durante reunião geral com acionistas da empresa REUTERS/Kim Hong-Ji/Pool A Samsung disse nesta terça-feira (26) que o lucro do primeiro trimestre deste ano provavelmente não alcançará as expectativas do mercado. A razão são as quedas nos preços dos chips e da desaceleração na demanda por painéis de telas. O anúncio veio depois que a Samsung disse a acionistas na semana passada que o fraco crescimento econômico global e a demanda mais fraca por chips de memória, seu principal negócio, pesariam sobre as operações em 2019. "A empresa espera que o declínio de preço dos principais chips de memória seja maior que o esperado", afirmou a Samsung em comunicado antes da divulgação de resultados na próxima semana. Esperava-se que a Samsung reportasse lucro operacional de 7,2 trilhões de won (US$ 6,4 bilhões) para o período de janeiro a março, segundo a Refinitiv SmartEstimate, mais de 50% abaixo dos 15,6 trilhões de won registrados no mesmo período do ano passado. As vendas devem cair para 53,7 trilhões de won, contra 60,6 trilhões de won há um ano, segundo a Refinitiv. "Os estoques se acumulando na área de chips de memória e o fraco desempenho do mercado de telas devido às vendas ruins dos iPhones da Apple estão prejudicando a lucratividade da Samsung", disse Lee Won-sik, analista da Shinyoung Securities.
Veja Mais

26/03 - Para atrair mais usuários, Netflix testa plano para dispositivos móveis por US$ 3,60 na Índia
A empresa oferece 3 planos mensais na Índia, mas que ainda são caros em comparação com ofertas de rivais. Um garoto assiste um filme em seu telefone celular enquanto deitado em uma maca na calçada em Kolkata, na Índia Rupak De Chowdhuri/Reuters A Netflix está testando, na Índia, um plano de assinatura mensal de 250 rúpias, o equivalente a US$ 3,63 dólares, que transmitirá apenas para dispositivos móveis . Segundo a empresa de streaming de vídeo, o objetivo é aumentar a presença em um mercado sensível ao preço, onde o consumo de dados em smartphones está crescendo. A Netflix oferece atualmente 3 planos mensais na Índia, variando de 500 a 800 rúpias, mas esses ainda são caros em comparação com ofertas semelhantes de rivais. Netflix sobe preço do serviço no Brasil; veja novos valores O serviço Prime Video da Amazon, concorrente da Netflix nos vídeos custa 999 rúpias por ano. O rival local Hotstar tem um serviço gratuito, além de planos pagos a partir de 365 rúpias por ano. O plano de testes da Netflix, de 250 rúpias por mês, dá aos usuários acesso a vídeos de definição padrão em smartphones e tablets, disse um porta-voz da companhia. "Nós estaremos testando diferentes opções em países selecionados, onde os membros podem, por exemplo, assistir a Netflix em seu dispositivo móvel por um preço menor e se assinar o serviço por períodos de tempo menores", acrescentou.
Veja Mais

26/03 - Uber compra Careem, rival do Oriente Médio, por US$3,1 bilhões
Aquisição garante à Uber posição boa em um mercado competitivo antes de abrir capital. Uber comprou rival Careem, do Oriente Médio, por US$ 3,1 bilhão. Nariman El-Mofty/AP A Uber vai pagar US$ 3,1 bilhões para adquirir a Careem, rival da empresa no Oriente Médio. Com a compra, a Uber assume uma posição dominante em uma região competitiva antes da aguardada oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês). A transação encerra mais de nove meses de negociações entre as duas empresas e dá à Uber a tão necessária vitória após uma série de desinvestimentos no exterior. Pelo acordo, a empresa terá propriedade total da Careem. A aquisição torna a Careem uma subsidiária integral da Uber e manterá a marca e o aplicativo Careem intactos, pelo menos inicialmente. Os co-fundadores da Careem, Mudassir Sheikha, Magnus Olsson e Abdulla Elyas, continuam na empresa depois da aquisição, disseram as companhias. No entanto, a diretoria da Careem será revisada, com três assentos indo para representantes da Uber e dois pertencentes à Careem. Sheikha, que é presidente-executivo da Careem, e Olsson terão assentos no conselho. Um porta-voz da Uber se recusou a dizer quem seria nomeado para o conselho. O acordo está sujeito a aprovações regulatórias, inclusive por autoridades antitruste nos países onde a Careem opera, o que poderia impedir que o negócio avance ou obrigar as empresas a modificar os termos. A Uber informou que pagará US$ 1,4 bilhão em dinheiro e US$ 1,7 bilhão em notas conversíveis em ações da Uber a um preço de US$ 55 cada. Esse preço garante um aumento de quase 13% sobre o preço das ações em sua última rodada de financiamento liderada pelo SoftBank Group mais de um ano atrás.
Veja Mais

26/03 - Moto voadora começa a ser vendida por US$ 380 mil
Ainda em desenvolvimento, modelo chega à velocidade máxima de 240 km/h e a 4.500 metros de altitude. Em sistema de pré-venda, encomenda do veículo pode ser feita pela internet. Projeção mostra moto voadora da Jetpack que começa a ser venda nos EUA por US$ 380 mil Reprodução/Youtube A empresa americana Jetpack Aviation anunciou a produção da primeira moto voadora para a venda. Chamado de Speeder, o modelo pode ser encomendado pela internet ao preço de US$ 380 mil - valor equivalente a R$ 1,5 milhão. Como serão as motos no futuro? Alguns fabricantes estão trabalhando no desenvolvimento de motos voadoras, baseadas em drones, pelo mundo. Em Dubai, por exemplo, a polícia local participou de testes com um modelo similar feito por russos. Ao contrário dos carros voadores, essas motos não possuem pneus e rodas, ou seja, só são feitas para voar e não rodar em estradas. Veículos de 4 rodas e capazes de voar também já estão à venda no mundo, eles são apontados por autoridades como possível solução para problemas de transporte. Protótipo em desenvolvimento Fabricante anuncia a pré-venda de moto-drone por US$ 380 mil O modelo ainda está em fase de desenvolvimento e para fazer a reserva o interessado precisa desembolsar US$ 10 mil e, futuramente, pagar o restante da quantia. Ainda não há um prazo definido para a entrega das primeiras unidades. De acordo com a fabricante, apenas 20 unidades serão produzidas para a venda ao público comum. Moto voadora da Jetpack pode chegar a 240 km/h Reprodução/Youtube Conhecida por fabricar o equipamento que leva o mesmo nome da empresa, um tipo de mochila com turbinas que faz uma pessoa voar, a Jetpack tem como objetivo fornecer a moto voadora para governos e implementos militares no futuro. Apesar de as primeiras unidades terem destino recreativo, a empresa espera que a moto voadora possa ser utilizada em resgates em áreas remotas no futuro. Porjeção mostra como seria a moto voadora da Jetpack Reprodução/Youtube Movida por 4 turbinas, a diesel ou querosene, a moto voadora pode ultrapassar os 240 km/h e chegar à altitude de 4.500 metros. Sua autonomia varia de 10 a 22 minutos. No entanto, a Jetpack ressalta que, como o veículo ainda está em desenvolvimento, o desempenho ainda pode ter alterações. Nos Estados Unidos, os futuros donos terão que passar por treinamento e ter uma licença para voar. Ainda haverá uma versão da moto com velocidade reduzida que não precisará da habilitação, apenas treinamento. Jetpacker Speede é uma mistura de moto e drone Jetpack/Divulgação Veja como é a moto voadora da polícia de Dubai: Vídeo mostra 'moto voadora' em testes
Veja Mais

26/03 - Prefeitura de Juína (MT) abre concurso com mais de 180 vagas e salário de até R$ 6,2 mil
A taxa de inscrição varia entre R$ 50 a R$ 120, dependendo do nível de escolaridade. Concurso Público tem prova no dia 19 de maio Divulgação A Prefeitura de Juína, a 737 km de Cuiabá, abriu um concurso público com mais de 180 vagas e salário de até R$ 6,2 mil. Segundo o edital divulgado, as vagas são para servidores que vão atuar na prefeitura e no Departamento de Água e Esgoto Sanitário (DAES). O salário varia entre R$ 998 a R$ 6,2 mil. A taxa de inscrição varia entre R$ 50 a R$ 120, dependendo do nível de escolaridade. As inscrições somente serão realizadas via internet, através do endereço eletrônico, a partir do dia 9 de abril até o dia 24 do mesmo mês. As provas escritas serão realizadas no dia 19 de maio. Vagas O concurso oferece vagas para agente administrativo, auxiliar de serviços gerais, bibliotecário, coletor de lixo, enfermeiro, engenheiro agrônomo, engenheiro florestal, fiscal de limpeza, fiscal de meio ambiente, fiscal de obras, fiscal de tributos, fiscal sanitário, gari, historiador, médico, motorista, procurador municipal, professor, técnico de enfermagem, técnico de segurança no trabalho, assistente de serviços gerais, encanador, fiscal de consumo, leiturista e zelador.
Veja Mais

26/03 - Líder do governo diz que PSL está 'fechado' com reforma e resolverá 'angústias' internamente
Major Vitor Hugo (PSL-GO) se reuniu com cerca de 30 deputados do partido nesta terça. Segundo ele, a partir de agora, parlamentares do PSL terão discurso único em torno da Previdência. Líder diz que PSL está 'fechado' com reforma e resolverá 'angústias' internamente O líder do governo na Câmara, deputado Major Vitor Hugo (PSL-GO), disse nesta terça-feira (26) que o PSL está fechado em torno da aprovação da reforma da Previdência. Ele afirmou ainda que os deputados do partido resolverão suas "angústias" internamente e externarão um discurso único sobre a proposta. O deputado deu a declaração após uma reunião no apartamento funcional da deputada Carla Zambelli (PSL-SP) em Brasília, que contou com a presença de 30 deputados do partido. Não estiveram presentes no encontro o líder do PSL na Câmara, deputado Delegado Waldir (PSL-GO), e a líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP). “Essa maioria absoluta presente [na reunião] me autorizou a verbalizar, neste momento, que nós fechamos com a reforma da Previdência ou com a construção da nova Previdência. Sabemos que vai haver alterações, mas estamos convictos de que o PSL está fechado com a Previdência e também com o pacote anticrime do [ministro da Justiça, Sérgio] Moro”, disse o deputado Major Vitor Hugo. Nos últimos dias, alguns deputados do PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, criticaram a articulação do governo para a aprovação da reforma. O líder do partido, deputado Delegado Waldir, chegou a dizer que nem o próprio partido do presidente estava convencido da reforma e criticou o projeto de reforma da Previdência dos militares. Para apaziguar os ânimos e unificar o discurso, o líder do governo na Câmara major Victor Hugo convocou a reunião. “Foi um movimento muito importante para nós aqui. Todos os deputados e deputadas presentes puderam expressar os seus posicionamentos e a gente tem certeza que a partir de agora o PSL vai fazer com que nossas angústias internas sejam resolvidas internamente e vamos externar um discurso único para fora, em prol da nova Previdência”, afirmou. CCJ Questionado sobre a desistência do ministro Paulo Guedes de comparecer à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) para debater a reforma da Previdência, o líder disse era importante a presença dele tendo em vista que houveram compromissos assumidos pela liderança do governo e pela presidência da CCJ para que esse encontro ocorresse. “Isto está sendo tratado no âmbito do governo. Quando começamos a reunião eu já havia manifestado para membros da presidência da república e da equipe econômica que na minha avaliação o erro que seria o ministro Paulo Guedes não participar”, afirmou.
Veja Mais

26/03 - Brasil processa 3,4% mais trigo em 2018, diz associação
Indústria espera nova alta para este ano, mas não tão expressiva. Produção de trigo no RS Reprodução/RBS TV A moagem de trigo no Brasil cresceu 3,4% no ano passado na comparação com 2017, para 12,2 milhões de toneladas. A expectativa é que de uma nova alta neste ano, diante do cenário de recuperação econômica, além de uma provável maior oferta, disse a associação da indústria, a Abitrigo, nesta terça-feira (25). "A tendência neste ano é que, se a economia voltar a crescer mais do que cresceu no ano passado... A tendência é de que a demanda aumente, e de que a expectativa de crescimento na moagem se efetive", disse o presidente da associação, embaixador Rubens Barbosa. Para ele, contudo, a expansão no processamento de trigo não deve ser tão expressiva, já que a economia brasileira "não vai explodir". Barbosa não fez uma projeção concreta para a moagem do cereal em 2019. O mercado aposta em um crescimento de 2% no Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil neste ano, conforme a mais recente pesquisa Focus do Banco Central (BC), em meio a perspectivas de reformas macroeconômicas, como a da Previdência. Mas outro fator que tende a contribuir para a moagem de trigo é a oferta. Na semana passada, a consultoria INTL FCStone, por exemplo, projetou um salto na produção nacional de trigo neste ano, graças a uma melhora na produtividade após problemas climáticos em safras anteriores. Nesse sentido, Barbosa voltou a defender a Política Nacional do Trigo, um conjunto de medidas elaborado pela Abitrigo visando a expandir a produção brasileira do cereal. O documento, divulgado no ano passado, já foi entregue à ministra da Agricultura, Tereza Cristina. "O objetivo da Política Nacional do Trigo é ampliar a produção nacional de trigo a médio e longo prazo... A grande vantagem... é que vamos corrigir uma situação importante para o Brasil: o trigo é o único grão que é importado.... O fato de depender do exterior é que tem um gasto muito grande", afirmou o embaixador, destacando que segue como defensor do mercado livre. O Brasil é um dos maiores importadores globais do cereal. Segundo a Abitrigo, a área Norte/Nordeste respondeu pela moagem de 3,71 milhões de toneladas de trigo no ano passado. O Paraná moeu 3,47 milhões, Santa Catarina/Rio Grande do Sul, 2,17 milhões, São Paulo (1,65 milhão) e Centro-Oeste/Minas Gerais/Rio de Janeiro/Espírito Santo (1,16 milhão). Do total moído, 56% vai para panificação; 26% para massas, biscoitos e outros produtos da indústria; 11% para o varejo e 7% para demais segmentos. Cota Barbosa também disse que uma cota de 750 mil toneladas para importação de trigo de fora do Mercosul sem tarifa, anunciada na semana passada, pode favorecer a indústria. "Quanto mais competição tiver, melhor. Quanto mais competição, melhores preços... Do ponto de vista da indústria, o que interessa é a competição", disse o presidente da Abitrigo. Isso deve afetar a Argentina, tradicionalmente o maior exportador de trigo para o Brasil, bem como os produtores nacionais. O anúncio da cota foi feito durante a visita do presidente Jair Bolsonaro aos Estados Unidos, na semana passada. Embora válido para diversas origens, o volume livre de tarifa deve favorecer principalmente os Estados Unidos, o maior ofertante fora do Mercosul. Para Barbosa, a eventual competitividade do trigo norte-americano no mercado brasileiro dependerá dos preços a serem praticados futuramente.
Veja Mais

26/03 - Uso de térmicas para atender Roraima custará R$ 1,9 bi a consumidor em 2019, diz ministro
Uso mais intenso de termelétricas no estado se deve a descumprimento de contrato de fornecimento de energia pela Venezuela, que passa por crise de abastecimento. O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, afirmou nesta terça-feira (26) que a geração de energia térmica para atender Roraima vai custar R$ 1,9 bilhão a mais aos consumidores de energia ao longo do ano. Essas termelétricas foram acionadas porque a Venezuela não tem cumprido o contrato de fornecimento de energia elétrica para Roraima desde 7 de março, mesmo dia em que começou no país o maior apagão de sua história. A Venezuela passa por uma crise no fornecimento de energia. "Todos os consumidores brasileiros terão que pagar ao longo do ano R$ 1,9 bilhão porque estamos gerando 210 MegaWatts apenas de térmicas a óleo diesel", afirmou Albuquerque. Roraima é o único estado brasileiro que não está interligado ao SIN, a rede nacional que permite a transferência de energia entre as regiões. Por isso a demanda do estado é atendida por termelétricas, que geram energia mais cara porque funcionam por meio da queima de combustível. Para permitir que os consumidores do estado paguem uma conta de luz mais baixa, as regras do setor elétrico preveem que todos os consumidores do país contribuam para a compra de uma parte do combustível que abastece essas termelétricas em Roraima. Linha de Tucuruí Diante da crise na Venezuela, o governo Jair Bolsonaro decidiu considerar estratégica a construção do Linhão de Tucuruí. Isso permitirá acelerar a liberação do licenciamento ambiental da obra pois não será mais preciso consultar as comunidades indígenas que serão atingidas pelo projeto. A linha de transmissão vai ligar Manaus a Boa Vista e interligar Roraima ao SIN, reduzindo a dependência do estado das termelétricas. A obra foi licitada em 2011 e deveria ter entrado em operação em 2015, mas nem chegou a começar porque a concessionária não conseguiu o licenciamento. O governo espera que a construção comece em 2019 e termine em dezembro de 2021. Segundo dados já divulgados pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), em 2018 o acionamento de usinas térmicas para atender as falhas na linha de transmissão que abastece o estado de Roraima com energia da Venezuela custaram R$ 597 milhões aos consumidores de energia de todo o país. No ano passado foram 85 blecautes, sendo que 72 decorrentes de falhas na linha de transmissão da Venezuela.
Veja Mais

26/03 - Pagamentos com cartões no Brasil devem crescer 16% em 2019, projeta Abecs
Em 2018, transações com cartões somaram R$ 1,55 trilhão, 14,5% a mais do que no ano anterior e melhor desempenho desde 2014. Cartão de crédito Reprodução/JN Os pagamentos de compras com cartões de crédito e de débito no Brasil devem somar R$ 1,8 trilhão em 2019, volume 16% acima do apurado em 2018, estimou nesta terça-feira (26) a Abecs, que representa o setor de meios eletrônicos de pagamento. "O objetivo do setor é alcançar o patamar de 60% de representatividade no consumo das famílias até 2022", disse em nota o presidente da Abecs, Pedro Coutinho. Em 2018, as transações com cartões somaram R$ 1,55 trilhão, 14,5% a mais do que em 2017 e o melhor desempenho desde 2014, quando o setor cresceu 14,8%. Por modalidades, os pagamentos com cartões de crédito subiram 14,6% em 2018, para R$ 965,5 bilhões, enquanto as operações com débito cresceram 13,8% na mesma base, a R$ 578,1 bilhões. As transações com cartões pré-pagos dispararam 66,5%, a R$ 11 bilhões.
Veja Mais

26/03 - União pode antecipar receitas para estados, diz governador do Rio Grande do Sul
Eduardo Leite participou de reunião em Brasília com o ministro da Economia, Paulo Guedes. Outras medidas para ajudar os estados também foram discutidas. Eduardo Leite participa de fórum de governadores em Brasília Divulgação/Palácio Piratini O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), afirmou nesta terça-feira (26) que a União pode antecipar receitas aos estados como forma de ajudá-los. Ele participa do Fórum dos Governadores, em Brasília. Com alto comprometimento de receitas com o pagamento de servidores públicos na ativa, e aposentados, as unidades da federação passam, em sua maioria, por dificuldades financeiras. De acordo com o governador Eduardo Leite, entre as possibilidades para ajudar os estados está a antecipação de receitas que eles receberiam somente no futuro, como aquelas oriundas de privatizações. "Seria a antecipação de recursos de privatização. É um processo que pode levar um ano, dois anos. Seriam [antecipados aos estados] recursos ou da União, ou do BNDES", declarou ele. Além disso, Leite também citou a possibilidade de o governo dividir com os estados os recursos do excedente da chamada "cessão onerosa" – um megaleilão de petróleo que o governo federal busca realizar ainda neste ano. O potencial de arrecadação é ao redor de R$ 100 bilhões. "O ministro focou na cessão onerosa. Mas condiciona isso à aprovação da própria reforma da Previdência. Constituição federal prevê essa partilha dos recursos advindos da exploração do petróleo, do pré-sal. Que se busca essa partilha", disse. Outra frente de ajuda aos estados, que, nesse caso não beneficiaria especificamente o Rio Grande do Sul, é a possibilidade de criação de um novo programa para ajudar no processo de ajuste de suas contas, ou seja, na redução de despesas e no aumento de receitas. Para o Rio Grande do Sul, porém, está sendo negociado o ingresso no Regime de Recuperação Fiscal, o mesmo que contou com a adesão do estado do Rio de Janeiro. Esse programa prevê a suspensão dos pagamentos da dívida com a União por até 36 meses, em troca de medidas duras de ajuste fiscal. Em Porto Alegre, também nesta terça, uma equipe da Secretaria do Tesouro Nacional (STN) se reúne com representantes do governo gaúcho para tratar do RRF. O governador do RS citou ainda a possibilidade de securitização das dívidas dos estados, como forma de melhorar suas finanças. Esse processo consiste na venda, com deságio, de direitos de dívidas a receber – que podem ser tributárias ou não. Essa seria uma outra forma de antecipar recursos aos estados. Nesta semana, o ministro Guedes também anunciou a intenção de repassar aos estados e municípios 70% do fundo social do pré-sal. Atualmente, todos esses recursos ficam com a União. Em 2018, o governo federal arrecadou R$ 17 bilhões com esse fundo social.
Veja Mais

26/03 - Maia diz que mudanças no BPC e na aposentadoria rural atrapalham reforma da Previdência
Treze partidos anunciaram apoio à reforma, mas sem esses dois pontos. Presidente da Câmara também disse que o ministro da Economia, Paulo Guedes, tem 'toda a confiança' do parlamento. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta terça-feira (26) que as mudanças propostas pelo governo na aposentadoria rural e no Benefício de Prestação Continuada (BPC) "têm mais atrapalhado do que ajudado" a reforma da Previdência. Maia deu a declaração após ato de 13 partidos na Câmara, que manifestaram apoio à reforma, mas sem as mudanças nesses dois pontos. Inicialmente, o movimento contou com líderes de 11 partidos. Depois, mais dois aderiram. “Acho que os dois temas têm mais atrapalhado do que ajudado a discussão da reforma da Previdência. O BPC e a aposentadoria rural não são, do ponto de vista fiscal, o principal problema, mas, do ponto de vista de atingir as pessoas que mais precisam, são os que estão prejudicando mais o projeto”, afirmou Maia. Principal medida do governo para o equilíbrio das contas públicas, a reforma da Previdência tem enfrentado resistência de partidos, até mesmo entre os que defendem a realização de mudanças nas regras de aposentadoria. A líder do governo no Congresso, deputada Joice Hasselman (PSL-SP), afirmou que não é uma surpresa os partidos estarem se articulando para retirar as mudanças no BPC e na aposentadoria rural. "Para mim não é surpresa nenhuma. Era absolutamente previsível que os líderes trabalhassem para modificação ou retirada, ou seja lá o que for, porque vamos discutir isso dentro do Congresso Nacional, porque eles já tinham mostrado uma insatisfação, em especial as bancadas do Norte e do Nordeste, com esses temas específicos", afirmou. BPC e aposentadoria rural Pela proposta enviada pelo governo, idosos sem meios de se sustentar terão de aguardar até os 70 anos para receber integralmente o Benefício de Prestação Continuada (BPC). Atualmente, o benefício, no valor de um salário mínimo, é pago mensalmente à pessoa com deficiência e ao idoso com 65 anos ou mais que comprove não possuir meios de se sustentar, e nem de ter auxílio da família. O governo propõe o pagamento de um valor menor, de R$ 400, a partir dos 60 anos de idade. Se o idoso não tiver o tempo mínimo de contribuição para se aposentar pelo regime geral ao atingir 65 anos, ele continuará recebendo R$ 400 até completar 70 anos. A partir dos 70 anos passaria a receber um salário mínimo. Ainda pelas regras apresentadas pelo governo, trabalhadores rurais, mulheres e homens, passam a ter a mesma idade para aposentadoria: 60 anos. Hoje, as mulheres no campo podem pedir aos 55 e homens, aos 60. O tempo de contribuição mínima passa de 15 para 20 anos. Paulo Guedes ‘Achou que não teria apoio da CCJ’, diz Rodrigo Maia sobre ausência de Paulo Guedes Maia também disse que o ministro da Economia, Paulo Guedes, tem "toda a confiança do parlamento". Ele comentou a desistência de Guedes de comparecer, na manhã desta terça, à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde daria explicações sobre a reforma da Previdência. A assessoria do Ministério da Economia disse que Guedes vai esperar a escolha de um relator para a reforma da Previdência antes de ir à comissão. A CCJ é por onde a reforma da Previdência começa a tramitar. “O ministro Guedes tem toda a confiança do parlamento, todo o apoio dos partidos que têm dialogado, que têm participado de reuniões com ele. Agora, isso é uma coisa. Outra coisa é o apoio dos partidos ao debate na CCJ. Eu acho que ele achou que não teria apoio do plenário da CCJ e preferiu não vir”, disse Maia. O presidente da Câmara contou que conversou com Guedes e disse a ele que já “deu demonstrações que respeita o parlamento brasileiro”. Maia disse que conversar com os líderes partidários para marcar outra data para a audiência. “Como ele não tem se furtado ao debate com a Câmara dos Deputados (...), pelo menos eu, pessoalmente, entendo que, de fato, (...) ainda tem tempo para esse debate”, disse Maia. A participação de Paulo Guedes na CCJ aconteceria em meio às divergências públicas entre o presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara sobre a quem cabe a articulação para a aprovação da reforma. Maia defendeu ainda que o presidente da comissão, deputado Felipe Francischini (SPL-PR), escolha logo o relator, a quem caberá fazer um parecer a ser votado na CCJ. Francischini tem adiado a indicação até que a articulação para o texto esteja mais afinada. “Eu acho que o presidente da CCJ podia indicar o relator, e antes de votar a gente construir com o ministro Paulo Guedes a possibilidade de ele vir à Câmara dos Deputados”, afirmou Rodrigo Maia. Na avaliação dele, um nome do PSL, partido de Bolsonaro, poderá facilitar a tramitação na comissão. “Porque um relator do PSL, é o partido do presidente. Ele vai ter maiores, melhores condições de dialogar com o ministro do Governo, com o líder do Governo, para construir um diálogo e uma maioria na Câmara dos Deputados. Primeiro na CCJ, claro”, disse. Paulo Guedes cancela ida à CCJ nesta terça (26) e gera reações na Câmara
Veja Mais

26/03 - Brasil criou 2,5 milhões de empresas em 2018; mais de 80% eram MEIs
Número de novos negócios é 15% superior à quantidade criada em 2017; a fraca recuperação da economia estimulou 'empreendedorismo por necessidade', diz Serasa Experian. O país criou 2,5 milhões de novas empresas em 2018, batendo o recorde da série iniciada em 2010. Os dados são do Indicador Serasa Experian de Nascimento de Empresas, divulgado nesta terça-feira (26). GUIA DO MEI: Pequenos negócios avançam no país Desemprego cai, mas trabalho informal dificulta retomada Os novos negócios cresceram 15,1% na comparação com 2017 (quando surgiram 2,2 milhões de empreendimentos). Do total, os MEIs (microempreendedores individuais) foram a maioria em 2018, chegando a 81,4%. Por segmento, os serviços de alimentação predominaram, com participação de 8,2%. MEIs cresceram quase 20% O Brasil atingiu a marca de 2.064.430 de MEIs formalizados em 2018, um crescimento de 19,1% na comparação com 2017. Em nota, os economistas da Serasa Experian atribuíram o aumento do "empreendedorismo por necessidade" à fraca recuperação da economia e o reflexo negativo na retomada da criação de vagas formais de trabalho. “A grande representatividade de MEIs e os segmentos que lideraram a abertura mostram que tem muitas pessoas investindo em atividades com produtos e serviços de maior aceitação e consumo no dia a dia, o que demonstra mais a necessidade do que oportunidade", disse em comunicado a diretora de micro, pequenas e médias empresas da Serasa, Fernanda Monnerat. Fabiana Roseira viu seu negócio crescer e agora quer se tornar MEI. Daniel Silveira/G1 As sociedades limitadas representaram 7,5% dos novos negócios no ano passado, com alta de 4,4% ante 2017. Já as empresas individuais tiveram uma participação de 5,5% e fecharam em queda de 12,3% frente a 2017. Alimentação foi destaque Entre os empreendimentos abertos de janeiro a dezembro do ano passado, os serviços de alimentação predominaram, com 8,2% dos novos negócios, segundo a Serasa. Em seguida, destacaram-se os serviços de higiene e embelezamento pessoal (7,5%), reparos e manutenções de prédios e instalações elétricas (7,1%) e comércio de confecções (6,6%).
Veja Mais

26/03 - Tesla Model 3 e navegadores de internet são hackeados em competição
Dupla levou carro e mais US$ 375 mil (R$ 1,4 milhão) em dinheiro por falhas expostas no sistema multimídia do Tesla e também em navegadores de internet. Model 3 é o modelo mais barato da fabricante de veículos elétricos Tesla. Carro teve seu sistema de entretenimento de bordo atacado em competição. Reuters A competição Pwn2Own encerrou sua edição de 2019 em Vancouver, no Canadá, na sexta-feira (22), distribuindo um total de US$ 545 mil (R$ 2,1 milhões) em prêmios para pesquisadores de segurança, ou "hackers do bem", que demonstraram ataques utilizando 19 brechas. Foram atacados os navegadores Apple Safari, Microsoft Edge, Mozilla Firefox, o sistema Windows, os programas de virtualização VMware Workstation e Oracle Virtualbox e, pela primeira vez na competição, um automóvel: o Tesla Model 3. A competição é organizada pela Zero Day Initiative, uma divisão da empresa de segurança Tipping Point, hoje pertencente à fabricante de antivírus Trend Micro. Os organizadores definem uma série de alvos e pesquisadores interessados podem se inscrever (individualmente ou em grupos) para tentar realizar ataques. Se tiver sucesso, o participante recebe um prêmio em dinheiro. A equipe vencedora foi a dupla "Fluoroacetate", formada pelos especialistas Amat Cama e Richard Zhu. Eles foram os responsáveis pelo ataque bem-sucedido no automóvel da Tesla e também por várias outras façanhas demonstradas na competição. A dupla agora é bi-campeã, pois também foi a vencedora na edição da Pwn2Own em Tóquio, em 2018. Ao todo, Cama e Zhu realizaram seis ataques diferentes, enquanto os demais quatro participantes realizaram um ataque cada. Por esse motivo, eles ficaram na liderança absoluta da competição. Os detalhes das vulnerabilidades não foram revelados. A Pwn2Own oferece informações técnicas detalhadas apenas para os fabricantes dos produtos envolvidos para que eles corrijam os problemas encontrados em um prazo de 90 dias. Todas as falhas demonstradas na competição precisam ser do tipo "dia zero", ou seja, inéditas. Na maioria dos casos, os ataques têm consequências graves, como escapar do isolamento de máquinas virtuais — o que é preocupante para as empresas que dependem desses produtos — ou instalar vírus no computador apenas com a visita a uma página web. As consequências do ataque contra o veículo da Tesla, no entanto, são desconhecidas. Sabe-se apenas que o sistema de entretenimento de bordo foi atacado, o que é normalmente considerado de baixo risco. Cada ataque recompensa os pesquisadores com um prêmio em dinheiro e, em certas ocasiões, com o produto que foi atacado. É essa tradição que dá origem ao nome da competição, que, em tradução livre, significa "hackear para possuir". Por esse motivo, a dupla "Fluoroacetate", que realizou o único ataque contra o Tesla Model 3, também ficou com o automóvel. O ataque que rendeu o maior prêmio em dinheiro na competição também foi realizado pela dupla: foram US$ 130 mil por um código que encandeou uma falha no navegador Edge, da Microsoft, com uma falha no Windows para obter o controle total do sistema. Alvos ignorados Mesmo com os prêmios em dinheiro oferecidos, algumas das categorias disponibilizadas pelo evento ficaram sem nenhum interessado. Entre os navegadores, isso aconteceu com o Google Chrome — foi o único dessa categoria a não atrair interessados. A categoria de softwares corporativos (que inclui o pacote Office da Microsoft e o leitor de arquivos PDF Adobe Reader) também foi totalmente ignorada. A competição também aceitava ataques contra a Área de Trabalho Remota do Windows, mas esse software também foi deixado de lado, apesar do prêmio de US$ 150 mil oferecido pelos organizadores do evento. Outros prêmios consideráveis que ninguém levou exigiam ataques contra o ESXi da VMWare (US$ 150 mil) e contra o cliente Hyper-V da Microsoft (US$ 250 mil — a maior cifra do evento). Dúvidas sobre segurança, hackers e vírus? Envie para g1seguranca@globomail.com Selo Altieres Rohr Ilustração: G1
Veja Mais

26/03 - Petrobras pagará US$ 2,4 bilhões para recompra de títulos com vencimento até 2025
Oferta de recompra atraiu detentores de volumes equivalentes a US$ 2,27 bilhões. A Petrobras informou que pagará US$ 2,43 bilhões a investidores que aceitaram uma oferta da companhia para recompra de títulos de sua subsidiária integral Petrobras Global Finance, segundo comunicado nesta terça-feira (26). A oferta de recompra atraiu detentores de volumes equivalentes a um total de US$ 2,27 bilhões em títulos Global Notes com vencimento entre janeiro de 2021 e janeiro de 2025. Como a Petrobras havia definido um limite de recompra de US$ 3 bilhões, excluindo juros capitalizados e não pagos, a totalidade do volume entregue pelos investidores foi aceita, segundo o comunicado. O pagamento aos investidores ocorrerá em 27 de março.
Veja Mais

26/03 - Veja 7 passos para começar a empreender em casa
A consultora Marina Proença dá dicas para você começar seu próprio negócio. Veja dicas para empreender sem sair de casa Reprodução/TV Globo Abrir um negócio, ainda que em casa e em tempo parcial é trabalhoso, então muito além de decidir qual ideia executar, é necessário desenvolver e fortalecer alguns grupos de conhecimentos como saber vender, administrar o negócio, dominar as finanças e equilibrar bem o tempo entre o trabalho e a vida pessoal e em família. Como decidir o que fazer? Parece fácil mas é a etapa mais crucial e por isso é ela que vamos trabalhar nesse conteúdo. Além de achar algo que o mercado quer comprar, é importante que você seja feliz fazendo o que decidir. Passo a passo: 1. Liste seus talentos e desejos a. Faça uma lista de atividades que você faz muito bem b. E uma segunda lista com atividades que você adora fazer c. Se possível, crie uma Terceira lista com atividades que você sabe que tem mais potencial para ganhar dinheiro 2. Procure o padrão entre as listas, ou seja, algo se repete entre elas? 3. Converse com amigos e familiares sobre as ideias que ficaram e pense sobre como você se vê realizando tarefas relacionadas a essa atividade no seu dia a dia. 4. Pesquise muito sobre tudo o que envolve o seu potencial novo negócio ou até mais de uma opção. A magia da internet é essa. Se você fizer um trabalho de pesquisa cuidadoso vai achar informações relevantes sem sair de casa. 5. Procure por outras pessoas que já fazem o que você quer fazer e vá tomar um café com elas. Pergunte sobre o que funciona e o que não funciona. Do que elas gostam e qual o lado ruim de fazer o que fazem. Com isso em mãos você estará mais pronta para decidir. 6. Monte um pequeno plano de negócios para entender os riscos de começá-lo. Você precisa pelo menos entender quanto vai investir e em quanto tempo vai começar a ter o retorno, mas também tem que entender qual vai ser o seu canal de venda, quem é seu público alvo, quais serão os custos do seu produto ou serviço etc. Procure aprender sobre o quadro de modelo de negócios, o SEBRAE tem explicações supersimples em seu site e você também encontra vídeo para aprender a montar um. 7. Encontre os parceiros certos para fortalecer os conhecimentos que você vai precisar para cada um dos temas: a. Vendas b. Administração c. Finanças d. Equilíbrio entre vida profissional e pessoal Ideias Veja opções de negócios TV Globo/Reprodução Veja mais de 30 ideias para alimentar o seu exercício sobre o que fazer para ganhar dinheiro trabalhando de casa: 1. Doces caseiros 2. Pesquisadora 3. Bolos e doces para festa 4. Salgados para festa 5. Cuidador e passeador de cães 6. Banho e tosa em cães e gatos 7. Artesanato 8. Editora de vídeos 9. Produtora de conteúdo ou Redatora 10. Designer gráfico e digital 11. Tradutora e intérprete 12. Venda de produtos 13. Aulas de reforço 14. Marmitas 15. Assistente virtual 16. Ter seu próprio e-commerce 17. Cuidar de crianças 18. Administradora de comunidades e redes sociais 19. Salão de beleza 20. Corte e costura 21. Lembrancinhas customizadas 22. Velas, sabonetes e aromatizadores. 23. Comida congelada 24. Geleias e Pimentas 25. Consultoria para eventos 26. Designer de bijuterias 27. Brigadeiro Gourmet 28. Roupas ou adereços para bebês 29. Organização de festas infantis 30. Venda de roupas e calçados 31. Aulas de música Leia também: Conheça 3 vantagens de começar a empreender com franquias Saiba como lucrar com a venda de ovos de Páscoa Saiba como se candidatar para uma vaga de Jovem Aprendiz
Veja Mais

26/03 - Onyx recebe líderes do governo para discutir reforma da Previdência
Ministro da Casa Civil tenta afinar articulação para que reforma avance no Congresso. Últimos dias foram de desgaste na relação do Palácio do Planalto com o Legislativo. O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, se reuniu nesta terça-feira (26) com líderes do governo no Congresso Nacional para discutir a reforma da Previdência. Segundo a Casa Civil, foram ao encontro no Palácio do Planalto os líderes do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE); no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP); e na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO). O governo tenta pacificar a relação com o Congresso, após o presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), trocarem declarações sobre a responsabilidade pela articulação e aprovação da reforma. Onyx responde pelo diálogo do governo junto a deputados e senadores. Considerada fundamental para o equilíbrio das contas públicas e a retomada sustentável do crescimento, a reforma foi enviada à Câmara em fevereiro, em forma de uma proposta de emenda à Constituição (CCJ). O texto ainda não avançou na Casa, onde terá de passar por Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), comissão especial e plenário. Depois, a PEC ainda precisará da aprovação do Senado.
Veja Mais

26/03 - Aneel aprova redução de 2,30% para tarifas da Light; para a Enel Rio, corte será de 1,92%
Redução ocorre após agência anunciar que antecipará quitação de empréstimo feito em 2014 para socorrer distribuidoras. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira (26) uma redução média de 2,30% para as tarifas de clientes da Light e de 1,92% para tarifas de clientes da Enel Rio. Essas reduções decorrem da quitação, anunciada na semana passada, de um empréstimo feito em 2014 para ajudar as distribuidoras de energia a pagarem o custo extra gerado pelo uso mais intenso das usinas termelétricas, por causa do baixo índice de chuvas. No dia 12 de março, o reajuste anual das duas concessionárias passou por votação na Aneel e foram aprovados aumentos médios de 11,12%, para as tarifas da Light, e de 9,7%, paras as da Enel Rio. As reduções aprovadas nesta terça, portanto, vão amenizar esses aumentos. A Light atende a cerca de 11 milhões de habitantes em 32 municípios do Rio de Janeiro, incluindo a capital. A Enel Rio atende 66 municípios do estado do Rio de Janeiro, incluindo a grande Niterói, região dos lagos e norte fluminense. São cerca de 6 milhões de consumidores atendidos pela empresa. Empréstimo Com a decisão de quitar o empréstimo, a Aneel anunciou que revisaria todos os reajustes aprovados desde dezembro de 2018 para incorporar a redução dos custos que devem ser pagos pelo consumidor. A antecipação do empréstimo vai retirar das tarifas de energia dos consumidores brasileiros R$ 6,4 bilhões em 2019 e R$ 2 bilhões em 2020. O efeito tarifário da operação é uma redução média de 3,7% nas tarifas de 2019 e de 1,2% em 2020. Pelo cronograma normal, a dívida seria paga em abril de 2020, mas com a antecipação ela será quitada em setembro de 2019. Para pagar a dívida será usado o saldo de uma conta de reserva criada no momento do empréstimo. Desde novembro de 2015, quando o empréstimo começou a ser pago, todo mês além de quitar uma parcela da operação bancária, os consumidores também pagaram por uma espécie de seguro, que era depositado nessa conta reserva.
Veja Mais

26/03 - Avianca reduz frota, elimina 21 rotas e fecha 3 bases operacionais
Medidas fazem parte do plano de recuperação judicial da companhia. Avião da companhia aérea Avianca pousa no Aeroporto Internacional de São Paulo - Cumbica (GRU), em Guarulhos Celso Tavares/G1 A Avianca Brasil informou nesta terça-feira (26) que reduziu o tamanho de sua frota, o que levará a descontinuar 21 rotas. Com isso, a aérea passará a operar com 26 aeronaves e 23 destinos. A medida integra seu plano de recuperação judicial. A Avianca havia informado ao G1 que possuía 48 aeronaves em operação, no dia 11 de março. A redução da frota levará à descontinuidade de 21 rotas (veja quais abaixo) e ao fechamento de três bases operacionais: Galeão (RJ), Petrolina (PE) e Belém (PA). Azul faz proposta para comprar parte das operações da Avianca Brasil Segundo a Avianca, a mudança acontecerá progressivamente no mês de abril e a diminuição implicará também no fechamento de 3 bases operacionais, no Galeão (RJ), Petrolina (PE) e Belém (PA). A 32 rotas rotas que restaram, segundo a aérea, são estratégicas e continuam a ser operadas normalmente, com seus pousos e decolagens mantidos dentro do cronograma previsto. “Para os passageiros com bilhetes emitidos para os destinos que deixam de ser atendidos, a empresa informa que cumprirá a resolução 400 da Anac", informou em nota. Veja abaixo das rotas que serão descontinuadas pela Avianca: Aracaju-Salvador Belém-Guarulhos Fortaleza-Bogotá Salvador-Bogotá Brasília-Cuiabá Brasília-Fortaleza Brasília- Galeão Brasília-Maceió Brasília-Salvador Florianópolis-Galeão Fortaleza-Galeão Guarulhos-Galeão Galeão-Foz do Iguaçu Galeão-João Pessoa Galeão-Natal Galeão-Porto Alegre Galeão-Salvador Maceió-Salvador Petrolina-Recife Petrolina-Salvador Recife- Salvador Voos internacionais A Avianca Brasil também informou que, para adequar sua operação à atual demanda de passageiros, vai descontinuar os voos diretos que partem de Guarulhos com destino a Santiago do Chile, Miami e Nova York. Os voos diretos que partem de Guarulhos com destino a Santiago do Chile, Miami e Nova York, serão descontinuados a partir de 1º de abril. Plano de recuperação A Avianca está em recuperação judicial desde dezembro. A aérea informou, dias atrás, que a revisão de seu plano de recuperação judicial seria apresentada nos próximos dias, com a nova estrutura da empresa, que tem como foco suas rotas estratégicas. A Justiça de São Paulo aceitou pedido feito pela empresa irlandesa Constitution Aircraft Leasing para retomar aviões arrendados pela Avianca Brasil. Entre o fim de 2016 e setembro de 2018, os passivos da Avianca Brasil para empresas de leasing de aeronaves quintuplicaram para R$ 415 milhões, de acordo com as demonstrações financeiras da empresa. A Avianca contratou em janeiro a consultoria Galeazzi & Associados para ajudar a encontrar recursos e eventualmente um comprador. Os principais credores da companhia aérea são as empresas de leasing de aviões Aircastle e GE Capital Aviation Services. A companhia está atrasando o salário de pilotos e comissários desde janeiro. Na semana passada, trabalhadores do Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA) se reuniram e deram o prazo de quarta-feira (13) para que a empresa se posicione antes de um novo encontro para discutir uma eventual paralisação. Na última quinta-feira (7), um voo da Avianca que seguia de Guarulhos (SP) para Miami teve a rota desviada para San Juan, na ilha caribenha de Porto Rico. Em nota, a companhia disse que o avião, um Airbus A330, "fez um pouso técnico", mas não detalhou as razões do procedimento. A Avianca Brasil é separada da Avianca Holdings, com sede na Colômbia. Mas elas pertencem a um mesmo grupo, do empresário boliviano German Efromovich.
Veja Mais

26/03 - Suzano espera sinergias operacionais de até R$ 900 milhões por ano após combinação com Fibria
Empresa projeta um investimento total de R$ 6,4 bilhões em 2019, valor 13,5% menor que os R$ 7,4 bilhões investidos pela Suzano em 2018. A Suzano Papel e Celulose esperar capturar entre 2019 e 2021 sinergias operacionais de R$ 800 milhões a R$ 900 milhões por ano (antes da tributação) como resultado da combinação de negócios com a Fibria, concluída em 14 de janeiro, informou a companhia nesta terça-feira (26). De acordo com a empresa, o valor estimado da união não compreende custos para implementar iniciativas atreladas às sinergias operacionais, projetados em cerca de R$ 200 milhões até 2021, dos quais 50% em 2019. A Suzano ainda prevê sinergias tributárias estimadas em R$ 2 bilhões por ano até 2021, segundo o comunicado. "No entanto, a companhia estima que essa sinergia se estenda até o fim do exercício social de 2029, a partir da incorporação societária da Fibria pela Suzano", esclareceu a companhia. Para 2019, a empresa projeta um investimento total de R$ 6,4 bilhões, sendo R$ 4 bilhões para manutenção e R$ 2,4 bilhões para projetos anteriormente divulgados, incluindo aquisições de terras e florestas da Duratex e ativos logísticos em portos. O montante total a ser desembolsado este ano é 13,5% menor que os R$ 7,4 bilhões investidos pela Suzano em 2018.
Veja Mais

26/03 - PAT Sumaré divulga vagas direcionadas para PCD
Interessados devem comparecer ao prédio 'É Pra Já', até a quinta-feira (28). Posto de Atendimento ao Trabalhador de Sumaré (SP) tem quatro vagas direcionadas para pessoas PCD Gabriel Costa/G1 O Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT) de Sumaré (SP) está com quatro vagas de emprego para o cargo de assistente de vendas, direcionadas a pessoas com deficiência (PCD). Interessados devem comparecer ao Posto, localizado no prédio do “É Pra Já” da Prefeitura, até a quinta-feira (28) . É necessário levar a Carteira de Trabalho, CPF, RG, número do PIS e o comprovante de endereço. Mais informações podem ser consultadas pelo telefone: (19) 3399-5638. As oportunidades são para todos os gêneros. Serviço PAT Sumaré Endereço: Avenida Brasil, número 20 - Jardim Nova Veneza. Horário de atendimento: segunda a sexta-feira, das 8 às 16 horas. Veja mais oportunidades da região no G1 Campinas
Veja Mais

26/03 - Parlamento aprova nova diretriz de direitos autorais para a Europa
Medida, no entanto, ainda precisa ser implementada pelos 28 países membros da União Europeia. Pontos mais polêmicos são os artigos 11 e 13, que falam de cobrança em links e uso de conteúdo produzido por terceiros. Manifestantes participam de ato nesta terça-feira (26), em Berlim, contra a medida que altera o direito autoral na Europa Hannibal Hanschke/Reuters O Parlamento Europeu aprovou na terça-feira (26) uma nova diretriz de direitos autorais que busca dar a escritores e artistas uma melhor proteção de seus direitos e renda, mas também tem gerado polêmica entre as empresas e os usuários. Apesar do apoio dos parlamentares do bloco, o projeto de lei ainda precisa ser implementado pelos 28 países-membros e enfrentou críticas por supostamente "sufocar a liberdade e a criatividade na Internet". Os artigos mais polêmicos são dois: Artigo 11: apelidado de "imposto do link", prevê a cobrança por compartilhamento de links e pequenos resumos de notícias em plataformas comerciais, mas não deixa claro quais plataformas são essas que serão enquadradas; Artigo 13: conhecido como a “proibição de memes”, ele restringe o uso de conteúdo produzido por terceiros, como ocorre normalmente nessas brincadeiras e também em "vídeos-reação". O ponto do Artigo 13, tido pelos críticos como o mais controverso, exigiria que empresas como YouTube e Facebook assumam a responsabilidade por material protegido por direitos autorais que fosse carregado em suas plataformas. Ele foi aprovado por uma margem pequena, de apenas 5 votos. Segundo as empresas, seria impossível manter o controle da quantidade gigante de conteúdo que entra todos os dias nessas plataformas. Ainda enquanto a diretriz era discutida, o YouTube alegou que não teria como lidar com a quantidade de processos que surgiriam com a mudança por não conseguir vigiar a totalidade de vídeos. A legislatura aprovou o projeto de lei após um processo de três anos com 348 a favor e 274 votos contra, com 36 abstenções. A diretiva não é uma lei por si só: ela serve para compelir os países do bloco a adaptarem e criarem suas próprias legislações e balizar os textos que serão criados para seguir a direção tomada pelo Parlamento Europeu. Membros do Parlamento Europeu participam nesta terça-feira (26), em Strasbourg, na França, de votação sobre nova diretriz de direitos autorais Vincent Kessler/Reuters Polêmica com youtubers Críticos à reforma afirmam que canais podem ser apagados e que as empresas não teriam como se adaptar ao novo processo de checagem antecipada dos direitos autorais. O Artigo 13 levou a reações de donos de canal no YouTube, como Felipe Neto e Wuant, um dos mais conhecidos youtubers de portugal. Ele estabelece que “serviços online de partilha de conteúdo e detentores de direito de propriedade intelectual devem cooperar de boa-fé para garantir que trabalho protegido e outros conteúdos não sejam divulgados de maneira desautorizada em suas plataformas”. Segundo o YouTube e os produtores do site, isso passa a responsabilidade de vigiar o mau uso de propriedade intelectual para as empresas e plataformas. Antes, essa prerrogativa pertencia ao dono do direito autoral, que deveria denunciar quando seu trabalho é usado de maneira irregular por outro produtor de conteúdo. A Comissão Europeia rebateu as críticas com outra carta, em que direciona a responsabilidade de cumprir a diretriz ao YouTube e promete que canais e memes não vão desaparecer. “Os vossos vídeos não vão ser apagados e a vossa liberdade de expressão não vai ser limitada", escreveu Sofia Colares Alves, representante-chefe da Comissão Europeia em Portugal, em uma carta aberta a youtubers . "O artigo 13º não se dirige a youtubers e não vai afetar os vossos canais. Dirige-se, isso sim, a plataformas como o YouTube, que têm lucrado graças a conteúdos que não cumprem as leis de direitos de autor.” Manifestante pede "sim" nesta terça-feira (26), em Strasbourg, na França, para a nova diretriz de direitos autorais para a Europa Vincent Kessler/Reuters
Veja Mais

26/03 - Quando as entrevistas de emprego podem se tornar abusivas
Entrevistas de trabalho tóxicas podem ser uma faca de dois gumes. Os candidatos que passam por testes de estresse extremo se deparam com o lado mais hostil da empresa com a qual estão lidando. Olivia Bland diz que sua confiança ficou abalada inicialmente, mas que agora se sente 'mais forte do que nunca' Instagram/Reprodução Olivia Bland, uma jovem de 22 anos de Manchester, no Reino Unido, à procura de uma vaga na área de comunicação, sabe como uma entrevista de emprego deve ser. Um aperto de mão, algumas perguntas sobre pontos fortes e fracos, um exame minucioso do currículo e uma despedida cordial. "Geralmente são descontraídas", diz Bland, "e definitivamente não duram duas horas". Mas, no mês passado, ela saiu aos prantos de uma entrevista para a empresa de tecnologia Web Applications UK. Em um tuíte que se tornou viral, ela alegou que foi humilhada e desqualificada pelo executivo-chefe, Craig Dean, em relação a tudo - desde seu gosto musical até o casamento de seus pais. A vaga foi oferecida a Bland, mas ela recusou, comparando o comportamento de Dean ao de um ex-namorado abusivo. "Ele começou atacando meus textos e depois passou a me atacar, incluindo a maneira como me sentei e segurei meus braços", diz ela. O tuíte foi compartilhado milhares de vezes, e levou Dean a postar um pedido de desculpas, dizendo que não tinha sido sua intenção magoar ninguém. A Web Applications UK negou publicamente as denúncias de Bland, mas não respondeu à BBC Capital para comentar o assunto. Teste de estresse O tipo de experiência descrito por Bland é conhecido como "teste de estresse" - uma técnica para avaliar como os candidatos lidam com a pressão, saindo da zona de conforto de perguntas e respostas padrão. Um exemplo é a tendência que prevaleceu na indústria de tecnologia no início desta década - em que o entrevistador perguntava ao candidato questões bizarras como "por que as tampas de bueiro são redondas" ou dava instruções para ele projetar algo na hora. O objetivo nestes casos não é obter uma resposta exata, mas sim ver como o candidato reage e avaliar sua linha de raciocínio. "Certamente há diferentes tipos de estresse associados a muitas funções - como alcançar resultados, cumprir prazos, lidar com clientes difíceis", diz Neal Hartman, professor sênior de comunicação gerencial do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos EUA. "O teste de estresse pode criar condições para ver como um candidato enfrentaria esses desafios". A técnica também pode ser usada para simular certas situações - na seleção de profissionais para a área de serviço de atendimento ao cliente, por exemplo, que precisam estar preparados para lidar com telefonemas abusivos, explica Kim Ruyle, presidente da consultoria Inventive Talent. Nestes casos, o candidato deveria ser avisado antes. Em todo caso, há uma grande diferença entre fazer uma pergunta difícil e menosprezar um candidato, explica Ruyle, acrescentando que o abuso verbal em qualquer situação profissional é inadequado e jamais deve fazer parte da entrevista. "Os testes de estresse não são novidade, tampouco estão em vias de extinção", diz Maurice Schweitzer, professor de gestão de operações e informações da Universidade da Pensilvânia, nos EUA. Apesar de ser mais comum nos EUA do que em outras partes do mundo, ele acredita que a prática tem mais a ver com um certo perfil de chefe do que com qualquer indústria específica. "Bastam três ingredientes para os testes de estresse aparecerem", sugere Schweitzer. "Gestores que trabalham em um ambiente muito estressante, gestores com demandas excessivas de trabalho e gestores que acreditam que podem descobrir como um candidato lida com a tensão provocando estresse em uma entrevista." Mais malefício do que benefício? A eficácia do modelo tradicional de teste de estresse divide especialistas. Alguns acreditam que há benefícios em simular uma situação tensa de trabalho, sendo realista, para identificar as habilidades de um candidato na resolução de problemas. Mas praticamente todos concordam que recorrer a qualquer nível de escárnio e humilhação é inaceitável e antiquado. Corinne Bendersky, professora de gestão da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA), afirma que há "muitas outras técnicas legítimas de entrevista", como perguntar aos candidatos sobre situações que vivenciaram e como reagiram a fatores de pressão que são relevantes para sua experiência profissional. Entrevistas de trabalho tóxicas podem ser uma faca de dois gumes. Os candidatos que passam por testes de estresse extremo se deparam com o lado mais hostil da empresa com a qual estão lidando. Eles podem compartilhar a experiência com outros possíveis candidatos ou, como foi o caso de Bland, publicar um post viral nas redes sociais, gerando uma espiral de feedback negativo que prejudica a capacidade da companhia de atrair talentos. Um componente fundamental nesta questão, que permeia qualquer entrevista de emprego hostil, é o poder. "Os gestores nessas condições estão em uma posição de muito poder", diz Schweitzer. "Quando as pessoas têm poder, elas se tornam menos propensas a levar em conta as perspectivas de outras pessoas, recebem menos feedback negativo... e podem nutrir uma percepção exagerada de como estão se saindo." O resultado é uma cadeia de problemas criados por testes de estresse que em grande parte não são reprimidos. "Minha confiança foi inicialmente abalada pelos comentários de Dean em relação a minhas aptidões e personalidade, mas agora me sinto mais forte do que nunca", diz Bland. "Eu sei o meu valor e não aceito esse tipo de comportamento de um empregador em potencial. "
Veja Mais

26/03 - Bovespa opera em alta nesta terça-feira
Na véspera, o Ibovespa fechou em queda de 0,08%, aos 93.662 pontos. O principal indicador da bolsa paulista, a B3, opera em alta nesta terça-feira (26), após fechar no vermelho nos 5 pregões anteriores, em movimento favorecido pela melhora no exterior, com os investidores monitorando também as discussões sobre a tramitação da reforma da Previdência. Às 15h38, o Ibovespa subia 1,37%, aos 94.945 pontos. Veja mais cotações. Petrobras subia mais de 3%, apoiada pela alta dos preços do petróleo no exterior. Nesta terça, a empresa anunciou a decisão de mudar a periodicidade dos reajustes do diesel nas refinarias, que acontecerão agora em intervalos não inferiores a 15 dias. Vale avançava quase 2%, em sessão com dados de produção do último trimestre de 2018, quando a empresa produziu 101 milhões de toneladas de minério de ferro, alta de 8,2% ante o mesmo período do ano anterior. Investidores aguardam o balanço da companhia na quarta-feira. Na véspera, a Justiça da Comarca de Barão de Cocais (MG) bloqueou 2,95 bilhões de reais de recursos da Vale. Natura liderava as altas do dia com avanço de mais de 9%, recuperando-se de um tombo de 12,2%nos últimos dois pregões após a fabricante de cosméticos brasileira afirmar na sexta-feira que negocia um acordo com a Avon. Na véspera, o Ibovespa fechou em queda de 0,08%, aos 93.662 pontos. Incertezas sobre Previdência Na cena política, o ministro da Economia Paulo Guedes decidiu não comparecer nesta terça na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, onde daria explicações aos parlamentares sobre a reforma da Previdência. "A ida do ministro da Economia à CCJ será mais produtiva a partir da definição do relator", afirmou o ministério, em nota. No exterior, Wall Street também começou a sessão no azul, encontrando suporte principalmente na alta de ações de tecnologia, em trajetória já registrada nas bolsas da Europa, o que corroborava a melhora no segmento Bovespa, destaca a Reuters. O petróleo também se valorizava no mercado externo. No noticiário do dia, a ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) indicou que a taxa de juros deve se manter estável nos próximos meses. A visão de especialistas é que a autoridade monetária ainda não está pronta para ajustar sua estratégia e deve continuar acompanhando a evolução da economia nos próximos meses. Os investidores avaliam ainda o resultado do IPCA-15, que acelerou para 0,54% em março, a maior para o mês desde 2015.
Veja Mais

26/03 - Petrobras vai reajustar diesel com intervalo mínimo de 15 dias e anuncia cartão para caminhoneiros
Petroleira vinha reajustando o combustível em intervalos menores, desde o fim do programa de subsídios. No ano, preço médio do diesel nas refinarias acumula alta de 18,48%. Funcionários da Petrobras trabalham em um tanque de empresa em Brasília. A empresa anunciou que iria aumentar o preço da gasolina em 6% e do diesel em 4% nas refinarias do país. A mudança entra em vigor nesta quarta-feira (30) Ueslei Marcelino/Reuters A diretoria da Petrobras aprovou mudanças na periodicidade de reajuste nos preços do diesel vendido para as refinarias. Os preços passarão a ser reajustados, no mínimo, a cada 15 dias, informou a estatal nesta terça-feira (26) em comunicado ao mercado. Desde então, a petroleira vinha reajustando o combustível em intervalos menores, desde o fim do programa de subsídios lançado pelo governo após a greve dos caminhoneiros. Somente em março, foram anunciados 5 reajustes no preço do diesel, sendo 4 aumentos e duas reduções. No ano, o preço médio do diesel nas refinarias acumula alta de 18,48%. Nos postos, o preço médio do litro do diesel no país subiu 0,1% na semana passada, para R$ 3,540, segundo levantamento semanal da Agência Nacional do Petróleo, do Gás Natural e dos Biocombustíveis (ANP). No ano, entretanto, a alta é menor que o verificado nas refinarias, de 2,6%. O repasse dos reajustes ao consumidor final, nos postos, depende de uma série de variáveis, como a margem de revendedores e distribuidores, impostos e da mistura obrigatória de biocombustível. Segundo a Petrobras, os preços do diesel nas refinarias correspondem a cerca de 54% do valor cobrado na bomba ao consumidor final. Cartão para caminhoneiros Junto da medida, a Petrobras também informou que sua subsidiária Petrobras Distribuidora S.A. (BR) está desenvolvendo, para daqui a 90 dias, um cartão de pagamentos que viabilizará a compra por caminhoneiros de litros de diesel a preço fixo nos postos com a bandeira BR (Cartão Caminhoneiro). "O cartão servirá como uma opção de proteção da volatilidade de preços, garantindo assim a estabilidade durante a realização de viagens", informou a estatal. Política de preços A companhia pontuou que continuará a utilizar mecanismos de proteção financeira, como o hedge com o emprego de derivativos, cujo objetivo é preservar a rentabilidade de suas operações de refino. "Ficam mantidos os princípios que balizam a prática de preços competitivos, como preço de paridade internacional (PPI), margens para remuneração dos riscos inerentes à operação e nível de participação no mercado", disse a empresa, em comunicado. Segundo a companhia, a paridade internacional será mantida, evitando práticas que poderiam caracterizar monopólio, já que possui 98% da capacidade de refino do Brasil. Em setembro do ano passado, a Petrobras anunciou a adoção de um mecanismo de proteção financeira para aumentar os intervalos de reajustes nos preços da gasolina nas refinarias em até 15 dias. O objetivo era dar mais flexibilidade à sua política de preços. Programa de subsídio O programa de subsídio ao diesel foi estabelecido em junho, após o governo fechar um acordo com caminhoneiros para encerrar os protestos que paralisaram o país. O preço de comercialização para a Petrobras e outros agentes que participam do programa, incluindo alguns importadores, foi congelado naquele mês a R$ 2,0316 por litro. Empresas como a Petrobras que aderiram ao plano precisavam praticar preços estipulados pelo governo e eram ressarcidas em até 30 centavos por litro, dependendo do cenário de preços externos.
Veja Mais

26/03 - Dólar fecha em alta de olho na reforma da Previdência
Nesta terça-feira, a moeda norte-americana subiu 0,28%, vendida a R$ 3,8669. Nota de US$ 5 dólares REUTERS/Thomas White O dólar fechou em alta nesta terça-feira (26), após o cancelamento da ida do ministro da Economia, Paulo Guedes, à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara intensificar receios quanto às negociações para a reforma da Previdência. A moeda norte-americana subiu 0,28%, vendida a R$ 3,8669. Veja mais cotações. O ministro da Economia Paulo Guedes decidiu não comparecer nesta terça na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, onde daria explicações aos parlamentares sobre a reforma da Previdência. "A ida do ministro da Economia à CCJ será mais produtiva a partir da definição do relator", afirmou o ministério, em nota. Agora, o ministro deve comparecer à CCJ na próxima quarta (3). A CCJ é o primeiro órgão colegiado a analisar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da reforma da Previdência. A escolha do relator já foi adiada anteriormente e, junto com a escalada das tensões entre Executivo e Legislativo em relação à Previdência, acabou ditando aumento nos prêmios de risco, com consequente alta do dólar. "Claramente há um problema de falta de articulação", disse à Reuters o diretor de câmbio da Intercam Corretora, Jaime Ferreira. Ainda no noticiário do dia, a ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) indicou que a taxa de juros deve se manter estável nos próximos meses. A visão de especialistas é que a autoridade monetária ainda não está pronta para ajustar sua estratégia e deve continuar acompanhando a evolução da economia nos próximos meses. Os investidores avaliam ainda o resultado do IPCA-15, que acelerou para 0,54% em março, a maior para o mês desde 2015. O Banco Central vendeu nesta terça-feira todos os 14,5 mil contratos de swap cambial tradicional ofertados em leilão de rolagem do vencimento abril. A venda do swap equivale à colocação de dólar no mercado futuro. Com isso, o BC já renovou US$ 10,875 bilhões, de um estoque a vencer em abril de US$ 12,321 bilhões.
Veja Mais

26/03 - Prévia da inflação fica em 0,54% em março, a maior para o mês desde 2015
Alimentos e transportes puxaram alta no mês. Em 12 meses, índice ficou em 4,18%, acima dos 3,73% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), que é uma prévia da inflação oficial do país, acelerou para 0,54% em março, segundo dados divulgados nesta terça-feira (26) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Trata-se da maior taxa para um mês de março desde 2015, quando o índice foi de 1,24%. Em março do ano passado, a taxa foi de 0,10%. No acumulado em 12 meses, o índice ficou em 4,18%, acima dos 3,73% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Com isso, o resultado se aproxima da meta oficial de inflação do governo para 2019: de 4,25% pelo IPCA, com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou menos. Alimentos e transportes puxam alta Os preços do grupo Alimentação e Bebidas registrou a maior variação na passagem de fevereiro para março (1,28%), com impacto de 0,32 ponto percentual (p.p.) no IPCA-15 do mês. Já o grupo Transportes subiu 0,59%, contribuindo com impacto de 0,11 p.p. "Juntos, os dois grupos corresponderam a cerca de 80% do índice do mês", destacou o IBGE. Entre os itens que mais subiram no mês, destaque para o feijão-carioca (41,44%), batata-inglesa (25,59%), frutas (2,74%), leite longa vida (2,35%) e alimentação no domicílio (1,91%). No grupo dos Transportes, as maiores altas foram passagem aérea (7,54%) e etanol (2,64%) e ônibus urbanos (0,73%). Já a gasolina subiu 0,28%, após três meses consecutivos de quedas. Por outro lado, Artigos de Residência e Comunicação apresentaram deflação no mês de março. Veja as variações dos 9 grupos pesquisados: Alimentação e bebidas: 1,28% Habitação: 0,28% Artigos de residência: -0,23% Vestuário: 0,06% Transportes: 0,59% Saúde e cuidados pessoais: 0,38% Despesas pessoais: 0,22% Educação: 0,34% Comunicação: -0,19% Feijão carioca subiu 41,44% em março, contribuindo com o maior impacto individual no IPCA-15 do mês Reprodução/TV Globo Inflação por regiões No que diz respeito aos índices regionais, todas as áreas pesquisadas pelo IBGE apresentaram aceleração de fevereiro para março, à exceção de Belo Horizonte. O maior índice ficou com a região metropolitana de Fortaleza (0,92%), seguida por Belém (0,75%), Goiânia (0,74%) e Recife (0,64%). O menor resultado, por sua vez, foi registrado na região metropolitana de Salvador (0,29%). Em São Paulo e no Rio de Janeiro, as taxas foram de 0,56% e 0,58%m respectivamente. Perspectivas e meta de inflação Em 2018, a inflação oficial fechou o ano em 3,75%, abaixo do centro da meta fixada pelo governo, que era de 4,5%. Para 2019, os economistas do mercado financeiro mantiveram sua previsão para o IPCA no ano estável em 3,89%, segundo a última pesquisa Focus do Banco Central divulgada na véspera. A meta de inflação é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic), que segue em 6,5% ao ano. A meta central deste ano é de 4,25%, e o intervalo de tolerância do sistema de metas varia de 2,75% a 5,75%. Ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central indica que a taxa de juros deve se manter estável nos próximos meses. O BC afirma que irá "observar o comportamento da economia brasileira ao longo do tempo" e acrescentou que "esta avaliação demanda tempo e não deverá ser concluída a curto prazo". O Banco Central avaliou também que a inflação deverá subir nos próximos meses, atingindo seu "pico", em 12 meses, em abril e maio deste ano. Mas acrescentou que, nos meses subsequentes, a inflação acumulada em 12 meses deve recuar e encerrar 2019 em torno dos níveis projetados pelo Copom (pouco abaixo de 4%). Educação Financeira: quais são os índices de inflação do Brasil Metodologia Para o cálculo do IPCA-15, foram coletados preços no período de 13 de fevereiro a 15 de março, e comparados com aqueles vigentes de 16 de janeiro a 12 de fevereiro. O indicador refere-se às famílias com rendimento de 1 a 40 salários mínimos e abrange as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além de Brasília e Goiânia. A metodologia utilizada é a mesma do IPCA, considerado a inflação oficial do país. A diferença está no período de coleta dos preços e na abrangência geográfica.
Veja Mais

26/03 - ONG de Campinas oferece 760 vagas para cursos profissionalizantes gratuitos
Ao todo, são nove cursos disponíveis; veja como participar. ONG oferece 760 vagas para cursos profissionalizantes em Campinas A Organização Não Governamental (ONG) Imene oferece, a partir do próximo sábado (30), nove cursos profissionalizantes gratuitos em Campinas (SP). Ao todo, são 760 vagas disponíveis para as aulas que têm duração prevista de dez sábados. O curso de iniciação ao mundo do trabalho contemplará adolescentes de 14 a 15 anos. Já as demais aulas podem ser frequentadas por interessados a partir de 16 anos, com exceção da oficina de como perder o medo de dirigir, para a qual é necessário possuir mais de 18 anos e a Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Todos os cursos possuem certificado. Para se inscrever, os interessados podem enviar um e-mail para contato@imene.org.br ou entrar em contato pelo telefone (19) 9 7408-1721. As aulas ocorrem na Unidade 3 da Faculdade Anhanguera - Rua Luís Otávio, 1313, Taquaral. Confira a lista de vagas Auxiliar administrativo - 80 vagas Assistente de recurso humanos - 80 vagas Assistente contábil - 80 vagas Assistente de logística - 80 vagas Pequenos negócios - 80 vagas Iniciação à indústria 4.0 e marketing digital - 80 vagas Medo de dirigir - 80 vagas Introdução à informática - 80 vagas Iniciação ao mundo do trabalho (14 a 15 anos) - 80 vagas Informática básica - 40 vagas Aulas ocorrerão aos sábados a partir deste final de semana Reprodução/EPTV Veja mais oportunidades da região no G1 Campinas
Veja Mais

26/03 - Produção de minério de ferro da Vale em 2018 cresce 4,9%
Mineradora produziu 384,6 milhões de toneladas do produto no ano passado, volume próximo da meta traçada. Pátio de minério da Vale, no complexo de Tubarão, espírito santo Arquivo/ A Gazeta A produção de minério de ferro da Vale em 2018 registrou 384,6 milhões de toneladas, alta de 4,9% ante 2017, informou a companhia nesta terça-feira (26) em relatório de produção. Corte de produção da Vale afeta preços do minério de ferro O volume ficou próximo da meta traçada pela maior produtora global de minério de ferro para o ano passado, de cerca de 390 milhões de toneladas. No quatro trimestre, a mineradora produziu 101 milhões de toneladas, alta de 8,2% ante o mesmo período do ano passado. Entenda o que é minério de ferro, rejeito e barragem Alexandre Mauro/G1 O minério de ferro representou 8,4% das exportações brasileiras no ano passado (US$ 239,9 bilhões), mostram dados da Funcex. É o terceiro produto mais exportado, atrás apenas da soja e do petróleo. No ano passado, as vendas externas do minério do Brasil atingiram 394,24 milhões de toneladas.
Veja Mais

26/03 - Expectativa de inflação sobe em março, diz FGV
Estimativa dos consumidores para os próximos 12 meses teve variação positiva de 0,2 ponto percentual na comparação com fevereiro. Preço dos alimentos recuou em outubro, segundo o IBGE. Nacho Doce/REUTERS A expectativa dos consumidores para a inflação nos próximos 12 meses teve variação positiva de 0,2 ponto percentual em março, na comparação com fevereiro, passando a 5,1%, segundo dados da Fundação Getúlio Vargas/Ibre, divulgados nesta terça-feira (26). Frente ao mesmo período do ano anterior, houve redução de 0,2 ponto percentual. A coordenadora da sondagem do consumidor da FGV/IBRE, Viviane Seda Bittencourt, afirmou em nota que as expectativas continuam bem comportadas e devem variar pouco, considerando o cenário de recuperação lenta da economia. “Após ceder nos quatro meses anteriores, a projeções dos consumidores retornaram a um patamar próximo ao de janeiro. O resultado pode estar sendo influenciado pela percepção de aceleração do IPCA no primeiro bimestre deste ano, movimento que não parece ter afetado ainda a visão favorável de especialistas com relação à evolução da inflação no ano. Faixas de renda Por faixas de renda, o aumento de março foi influenciado pelas famílias com renda mensal até R$ 2.100,00. Para esses consumidores, a expectativa de inflação para os próximos 12 meses subiu 0,6 ponto percentual, para 6,0%. Nas demais faixas de renda, as expectativas ficaram estáveis, segundo a FGV.
Veja Mais

26/03 - Governo cria grupo de trabalho para avaliar redução de tributação de cigarros
Grupo irá avaliar se a redução da tributação pode 'diminuir o consumo de cigarros estrangeiros de baixa qualidade, o contrabando e os riscos à saúde dele decorrentes'. Cigarro, fumo, tabagismo, tabaco CDC/ Debora Cartagena O governo federal decidiu criar um grupo de trabalho, no âmbito do Ministério da Justiça e Segurança Pública, para avaliar "a conveniência e oportunidade da redução da tributação de cigarros fabricados no Brasil". Segundo a portaria assinada pelo ministro Sérgio Moro, publicada nesta terça-feira (26) no Diário Oficial da União, a redução da tributação pode "diminuir o consumo de cigarros estrangeiros de baixa qualidade, o contrabando e os riscos à saúde dele decorrentes". O cigarro está entre os produtos com mais imposto no país. A carga tributária atual para cigarros no Brasil é de cerca de 80%. De acordo com a portaria, o grupo de trabalho terá por objetivo a realização de estudos: sobre a tributação de cigarros fabricados no Brasil; para proposição de melhorias à política fiscal e tributária sobre os cigarros fabricados no Brasil; para proposição de medidas que visem à redução do consumo de cigarros estrangeiros de baixa qualidade e contrabandeados e que já ocupam ilegalmente parte significativa do mercado brasileiro, com danos à arrecadação tributária e à saúde pública; para verificar se a redução da tributação dos cigarros fabricados no Brasil poderia evitar o consumo de cigarros estrangeiros de baixa qualidade, bem como o contrabando, e se essa medida poderia causar o aumento do consumo do tabaco; para propor alterações de normas vigentes ou edição de normas complementares que eventualmente se façam necessárias para a efetiva aplicação das medidas propostas. O grupo será composto por representantes da Polícia Federal, Secretaria Nacional do Consumidor, Assessoria Especial de Assuntos Legislativos, representantes do Ministério da Economia e do Ministério da Saúde, além de pesquisadores e especialistas convidados. Segundo a portaria, o relatório final de trabalho do grupo deverá ser apresentado para deliberação do Ministro da Justiça e Segurança Pública no prazo de 90 dias. Veja o peso dos impostos por produto
Veja Mais

26/03 - BC indica juro estável e informa que vai observar comportamento da economia
Copom considera que avaliação demanda tempo e não será concluída a curto prazo. Diante da lentidão da retomada da economia, analistas avaliavam que juros básicos poderiam cair. O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) informou nesta terça-feira (26) que julga importante "observar o comportamento da economia brasileira ao longo do tempo" e acrescentou que "esta avaliação demanda tempo e não deverá ser concluída a curto prazo". A informação está na ata da última reunião do Copom, quando os juros básicos da economia permaneceram inalterados na mínima histórica de 6,5% ao ano. A divulgação ocorre em momento de lenta recuperação da economia brasileira, e, por conta disso, alguns analistas dizem acreditar que haveria espaço para redução da taxa básica de juros nos próximos meses. O Copom avaliou que o "nível de ociosidade elevado" (produção industrial abaixo da capacidade) pode produzir uma inflação abaixo do esperado. No ano passado, o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu apenas 1,1% e frustrou as expectativas iniciais dos analistas. BC divulga ata da reunião do Copom. E eu com isso? Por outro lado, acrescenta o Copom, uma "frustração das expectativas sobre a continuidade das reformas e ajustes necessários na economia brasileira" (como as mudanças na Previdência, por exemplo) pode "afetar prêmios de risco e elevar a trajetória da inflação no horizonte relevante [nos próximos anos] para a política monetária [definição dos juros para controlar a inflação]". Informou que esse risco de pressão inflacionária, pela ausência de reformas, se intensifica no caso de piora do cenário externo para economias emergentes. Por fim, o Banco Central avaliou que esse "balanço de riscos para a inflação" (fatores que pressionam para baixo e para cima a inflação) mostra-se "simétrico" (proporcional). O Copom afirmou, ainda, que "cautela, serenidade e perseverança nas decisões de política monetária, inclusive diante de cenários voláteis têm sido úteis" para manter a inflação dentro da meta. Metas de inflação A principal missão do Banco Central é controlar a inflação, tendo por base o sistema de metas. Para este ano, a meta central de inflação é de 4,25%, podendo oscilar entre 2,75% a 5,75%, e, para 2020, é de 4% – com intervalo de tolerância de 2,5% e 5,5%. Quando as estimativas para a inflação estão em linha com as metas, o BC reduz os juros; quando estão acima da trajetória esperada, a taxa Selic é elevada. Na ata de sua última reunião, o Copom também estimou, no cenário de mercado (que considera as estimativas dos economistas dos bancos para juros e câmbio), que a inflação somará 3,9% em 2019 e 3,8% em 2020. Esse cenário supõe taxa Selic em 6,50% ao ano e em 7,75% ao ano no fim deste ano e do próximo, e câmbio em R$ 3,70 e em R$ 3,75 por dólar no fechamento de 2019 e 2020. O Banco Central também informou que a inflação deverá subir nos próximos meses, atingindo seu "pico", em 12 meses, em abril e maio deste ano. Mas acrescentou que, nos meses subsequentes, a inflação acumulada em 12 meses deve recuar e encerrar 2019 em torno dos níveis projetados pelo Copom (pouco abaixo de 4%).
Veja Mais

26/03 - Dicas IR 2019: casamento e separação geram situações especiais na declaração
Especialista em imposto de renda da EY, Antonio Gil dá dicas aos contribuintes. Casais que se separaram em 2018 podem colocar os filhos como dependentes nas declarações dos dois. Assista abaixo o comentário de Antonio Gil, especialista em imposto de renda da EY: Dicas IR 2019: Veja condições especiais em caso de casamento ou separação
Veja Mais

26/03 - Farmacêutica Roche decide encerrar produção de medicamentos no Brasil
Fechamento da fábrica da empresa no Rio de Janeiro está previsto para ser concluído entre quatro e cinco anos. Sede da farmacêutica Roche na Suiça Reuters O grupo farmacêutico suíço Roche decidiu encerrar a produção de medicamentos no Brasil. Em comunicado, a companhia informou as atividades de sua fábrica, localizada em em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, deverão ser totalmente encerradas entre quatro e cinco anos. A Roche Farma Brasil, divisão do grupo no país, manterá a sede e o escritório administrativo em São Paulo, e o centro de distribuição que possui em Anápolis (GO). Segundo a empresa, não há previsão de redução do quadro de funcionários no Rio de Janeiro em 2019, em decorrência do anúncio. Atualmente, são 440 empregados na unidade. "Nossos colaboradores receberão o melhor suporte possível, com tratamento transparente e respeitoso, ao longo deste período de transição”, disse, em comunicado, Patrick Eckert, presidente da Roche Farma Brasil. A empresa atribuiu a decisão à estratégia global de "concentrar os esforços em produtos inovadores de alta complexidade e baixo volume de produção". Segundo a Roche, os medicamentos produzidos atualmente no país (Bactrim, Bonviva, Cymevene, Dilatrend, Dormonid, Lexotan, Prolopa, Rivotril, Rocaltrol, Rohypnol e Valium) consistem em produtos de alto volume e baixa complexidade, "o que torna a operação do Rio de Janeiro pouco sustentável". "A Roche reforça seu compromisso de continuar abastecendo os pacientes com os medicamentos de alta qualidade hoje fabricados no Rio", acrescentou. A empresa informa em seu site ter 1.200 colaboradores em toda a operação no Brasil.
Veja Mais

26/03 - Mutirão por emprego forma fila gigante no Vale do Anhangabaú, no Centro de São Paulo
Evento oferece mais de 6 mil vagas durante quatro dias na sede do Sindicato dos Comerciários. É preciso levar documentos e currículo. Segundo organizadores, fila tem 15 mil pessoas. Fila enorme por emprego no Centro de São Paulo Uma multidão em busca de emprego forma uma enorme fila no Vale do Anhangabaú, no Centro de São Paulo, na manhã desta terça-feira (26). Os candidatos participam do Mutirão de Emprego, promovido pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho da Prefeitura de São Paulo e pelo Sindicato dos Comerciários. São oferecidas mais de 6 mil vagas de emprego para diversos segmentos, como telemarketing, operador de caixa, atendente e vendedor de loja. Segundo o balanço da UGT, cerca de 15 mil pessoas estão na fila na manhã desta terça-feira (26). Mutirão de emprego forma fila gigante no Vale do Anhangabaú TV Globo/Reprodução Neste primeiro dia do mutirão, serão distribuídas as senhas para os quatro dias de evento. Apenas as pessoas que tiverem senha serão atendidas. Desempregados enfrentam fila por 6 mil vagas de emprego em SP Quase 24 horas na fila Algumas pessoas passaram a madrugada na fila. O cozinheiro Bruno, que é de Vitória (ES), chegou às 9h da manhã de segunda-feira (25) para garantir o primeiro lugar na fila. Ele foi chamado para o cadastro e disse que espera ser entrevistado para uma vaga de emprego. "A entrevista foi tranquila, ficaram de retornar o contato para mim e estou na expectativa de sair empregado", disse Bruno. O cozinheiro Bruno, de Vitória (ES), chegou às 9h de segunda-feira e foi o primeiro da fila TV Globo/Reprodução De acordo com a assessoria de imprensa da União Geral dos Trabalhadores (UGT), as primeiras 700 senhas já foram distribuídas e as pessoas serão atendidas no decorrer do dia até as 17h. O evento acontece entre esta terça (26) e sexta-feira (29) na sede do Sindicato dos Comerciários, localizado na Rua Formosa, 99, das 8h às 17h. Para se candidatar a uma vaga de emprego, é preciso levar RG, CPF, carteira de trabalho e currículo impresso. Fila por senha para buscar emprego faz voltas no Vale do Anhangabaú TV Globo/Reprodução Desemprego em SP Segundo a Pesquisa de Emprego e Desemprego, realizada pela Fundação Seade e pelo Dieese, a taxa de desemprego total na Região Metropolitana de São Paulo se manteve relativamente estável, ao passar de 15,3%, em janeiro, para 15,5%, em fevereiro. O número de desempregados foi estimado em 1,7 milhão de pessoas, pessoas, 12 mil a mais do que no mês anterior, de acordo com o levantamento.
Veja Mais

26/03 - Imposto de Renda 2019: veja os gastos que podem diminuir o imposto a pagar ou aumentar a restituição
Para ter abatidos estes gastos, contribuinte tem de optar pelo modelo completo da declaração e tomar cuidado com o preenchimento dos dados. Arte G1 Gastos com saúde, educação, previdência, dependentes e pensão alimentícia podem ser deduzidos do Imposto de Renda. Ao declará-los, o contribuinte pode ter reduzido o valor de imposto a pagar, ou aumentar a restituição a receber. Mas especialistas alertam para a necessidade de redobrar a atenção ao prestar essas informações. Qualquer erro ou inconsistência pode levar o declarante à malha fina. Clique aqui para baixar o programa da Receita Federal para preencher a declaração SAIBA TUDO SOBRE O IMPOSTO DE RENDA 2019 A Receita Federal oferece a possibilidade de o contribuinte substituir todas as deduções pelo desconto simplificado – para isso, basta selecionar o modelo simplificado da declaração. Esse desconto corresponde a 20% do valor dos rendimentos tributáveis, limitado a R$ 16.754,34. Neste modelo, não há necessidade de comprovação dos gastos, e qualquer contribuinte pode optar por ele. Para orientar o contribuinte que deseja apresentar a declaração em modelo completo, declarando os gastos que são dedutíveis, o G1 ouviu dois especialistas. Eles destacaram ser vantajoso declarar as despesas completas, uma vez que algumas delas são descontadas integralmente. Porém, enfatizaram a necessidade de cautela no preenchimento do formulário. Despesas com saúde “Dou atenção, principalmente, às despesas médicas, que têm dedução integral”, destacou Antônio de Lima Pimentel, contador especialista em direito tributário e sócio da Contabilidade Carioca. “Sempre há discussões sobre itens que podem ou não ser enquadrados como despesas com saúde. O conceito da Receita Federal destes gastos é de doença, não no sentido de saúde pela qualidade de vida”, ponderou Gilberto Braga, professor de finanças do IBMEC e da Fundação Dom Cabral. Podem ser incluídos como despesas com saúde valores pagos por plano de saúde, exames, consultas médicas, dentista, psicólogo, fisioterapeuta, fonoaudiólogo, hospital, entre outros. Gastos com medicamentos, no entanto, não são abatidos do Imposto de Renda. Também não são dedutíveis gastos com nutricionista, tratamentos estéticos com fins de embelezamento e não reparação, e academia. Os valores devem ser informados em “Pagamentos Efetuados”, fazendo constar o CPF ou CNPJ do profissional ou clínica. Todas as despesas têm de ser comprovadas. Assim, o contribuinte que as declarar deve guardar consigo todos os comprovantes de pagamento pelo prazo de 5 anos para se resguardar em caso de ter de se apresentar ao Fisco. O contador Antônio Pimentel alertou ainda para a necessidade de fazer o somatório correto das despesas médicas e de declará-las com os respectivos códigos corretos – o próprio programa gerador da declaração lista os códigos. “Tem muita gente que tem comprovantes de despesas com dentista, médicos, e mistura tudo na hora de declarar, colocando todos como um só item. Tem que separar os gastos por tipo, soma-los separadamente e informar o código correto”, reforçou. Gastos com Educação Diferentemente das despesas com saúde, que podem ser deduzidas integralmente, os gastos com educação têm limite de dedução. Segundo a Secretaria da Receita Federal, para 2019 o limite é o mesmo do exercício anterior: R$ 3.561,50. Só podem ser abatidos gastos com instrução formal do contribuinte e seus dependentes, ou seja, são restritos à educação infantil (creche e pré-escola), ensino fundamental, ensino médio, educação superior (graduação e pós-graduação) e educação profissional (ensino técnico e o tecnológico). Cursos extracurriculares, como informática, idiomas, entre outros, não podem ser deduzidos. Gastos com dependente O contribuinte que inclui dependentes em sua Declaração do Imposto de Renda pode deduzir até R$ 2.275,08. Se o gasto com o dependente ultrapassar R$ 28.559,70 no ano, mesmo se ele for menor de idade, a declaração tem de ser feita, obrigatoriamente, de forma separada. A Receita Federal considera como dependentes os cônjuges, filhos, companheiros, pais, avós e demais, desde que respeitem as condições estabelecidas, como a idade e comprovação judicial por dependência. É obrigatório informar na declaração o CPF de todos os dependentes. Pensão alimentícia Quem paga pensão alimentícia pode ter o valor deduzido integralmente da base de cálculo de seu Imposto de Renda. Mas isso só é permitido quando a pensão for determinada judicialmente ou estabelecida por meio de acordo homologado na Justiça ou por meio de escritura pública. Quem recebe a pensão, no entanto, fica sujeito a pagar imposto sobre o montante recebido. Quando o pagamento da pensão é feito em valor acima do estabelecido no acordo judicial ou pela determinação da Justiça, somente o valor legal é dedutível. Por exemplo, se o acordo da pensão alimentícia determina o pagamento mensal no valor de R$ 1 mil, mas o contribuinte, por livre vontade, paga R$ 2 mil, somente R$ 1 mil é passível de dedução – a outra metade não pode ser informada na declaração. Gastos com Previdência Valores pagos por aposentadoria, tanto ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) quanto a bancos e/ou fundos de pensão privado, podem deduzir este gasto de seu imposto de renda. As regras variam de acordo com a situação do contribuinte: Os valores pagos à Previdência oficial da União, Estados e Municípios podem ser deduzidos integralmente do Imposto de Renda. Essa regra serve tanto para quem é autônomo e paga o INSS, como para quem trabalha com carteira assinada – neste caso, o montante consta no informe de rendimentos entregue pela empresa no campo “Contribuição Previdenciária Oficial”. Para Previdência Privada, a dedução é limitada a 12% dos rendimentos tributáveis recebidos pelo contribuinte ao longo do ano – o cálculo é feito pelo próprio programa gerador do Imposto de Renda. A regra vale tanto para quem tem Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL) quanto para quem possui Fundo de Aposentadoria Programada Individual (Fapi). Porém, para quem tem PGBL só pode solicitar a dedução caso contribua, também, com a Previdência Oficial. Para a modalidade Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL), não há possibilidade de dedução. Também podem ser deduzidos os valores pagos pela previdência de empregado doméstico. Ou seja, quem contrata um empregado doméstico de modo formal, ou seja, com carteira de trabalho assinada, pode abater do imposto parte do montante gasto pela contribuição patronal. O limite de dedução neste caso ainda não foi informado pela Receita. No ano passado, ele era de R$ 1.200,32. Este é o último ano em que este tipo de despesa poderá ser abatido do cálculo do imposto, segundo anunciado pela Receita Federal. Doações Também pode ser abatidas do Imposto de Renda doações feitas a instituições e fundos específicos ligados ao governo também podem ser abatidas do imposto de renda. Em geral, essas doações precisam ter sido feitas ao longo do ano.
Veja Mais

26/03 - Paulo Guedes vai à Câmara nesta terça-feira explicar proposta de reforma da Previdência
Proposta foi enviada em fevereiro e está em discussão na Comissão de Constituição e Justiça. Audiência acontece em meio a divergências públicas entre Bolsonaro e Maia sobre articulação. Paulo Guedes vai ao Congresso para tirar dúvidas sobre reforma da Previdência O ministro da Economia, Paulo Guedes, participará na tarde desta terça-feira (26) de uma audiência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara para explicar a proposta de reforma da Previdência Social. Enviada em fevereiro ao Congresso, a reforma está na primeira etapa da tramitação. Na CCJ, os deputados analisarão se a proposta do governo Jair Bolsonaro está de acordo com a Constituição. Se o texto for aprovado, seguirá para uma comissão especial, na qual o mérito (conteúdo) será discutido pelos parlamentares. Reforma da Previdência: entenda ponto a ponto A reforma é considerada pela equipe econômica como medida prioritária para a recuperação das contas públicas. Pelas estimativas do governo, se a reforma for aprovada, será possível economizar R$ 1 trilhão. SADI: em meio à crise com Bolsonaro, Maia diz a aliados que vai ‘blindar’ reforma Polêmica sobre a articulação A participação de Paulo Guedes na CCJ nesta terça-feira acontece em meio às divergências públicas entre o presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), sobre a quem cabe a articulação para a aprovação da reforma. Enquanto Bolsonaro diz que a responsabilidade é do Congresso, Rodrigo Maia afirma que o governo não pode "terceirizar" a articulação política e, por isso, deixou de atuar. Bolsonaro diz que não deu motivo para Maia agir assim, mas, conforme noticiou o site do jornal "O Globo", o presidente da Câmara ficou insatisfeito com críticas feitas a ele nas redes sociais pelo vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do presidente da República. Em um encontro com prefeitos nesta segunda (25), em Brasília, Paulo Guedes afirmou que há "problema de comunicação" na articulação para aprovar a reforma. Para o secretário especial de Previdência do Ministério da Economia, Rogério Marinho, a ida de Guedes à comissão pode "distensionar" o ambiente político. Formação da base aliada O presidente da CCJ, Felipe Francischini (PSL-PR), tem dito que a proposta só terá celeridade se a base aliada do governo estiver "organizada e coesa". Para o líder do governo na Câmara, deputado Major Vítor Hugo (PSL-GO), a audiência com o ministro da Economia na comissão ajudará a melhorar o clima entre Planalto e Congresso. "A vinda do Paulo Guedes é algo que a gente espera que dê uma arrefecida, porque o Paulo Guedes vai tirar muitas dúvidas, vai falar sobre construção da nova Previdência e da sua importância. Tudo faz parte do movimento de aproximação do Executivo para mostrar a disposição de interagir com o Legislativo", afirmou Vítor Hugo. Nome do relator da reforma da Previdência pode sair até a próxima quarta (27) Relator A expectativa é que Felipe Francischini anuncie nesta semana quem será o relator da reforma da Previdência. Caberá ao relator elaborar um parecer no qual recomendará a admissibilidade ou a rejeição da proposta. O relatório deverá ser discutido e votado pelos demais integrantes da comissão.
Veja Mais

26/03 - Um em cada quatro universitários brasileiros gostaria de abrir o próprio negócio
Mesmo com o brasileiro universitário querendo abrir o próprio negócio, são poucas as universidades que apoiam o empreendedorismo. Veja a reportagem e o meu comentário abaixo para o Jornal da Globo: Samy Dana comenta o ensino do empreendedorismo nas universidades.
Veja Mais